Sobre edurosadarco

Autor do livro Do Susto Ao Sucesso : Herpes Genital & Relacionamentos

12 Mitos Sobre a Herpes Genital (FALSOS)

Mito 1 – O vírus HSV-1 somente afeta a boca e o HSV-2 os genitais.

O vírus hsv tipo 1 é o que causa a herpes labial e é um erro muito comum achar que ele só pode afetar a área da boca. Na verdade, quem tem herpes labial pode transmitir o vírus hsv-1 para os genitais do parceiro através do sexo oral e causar uma infecção genital pelo hsv tipo 1. Inclusive esses casos estão cada vez mais comuns nos últimos anos.

Por outro lado, o hsv tipo 2, que causa a grande maioria das infecções de herpes genital recorrente, também pode infectar a área oral mas isso é extremamente raro de acontecer.

Mito 2 – Herpes genital tem cura e isso pode ser alcançado usando ervas, vitaminas e outros remédios naturais.

Infelizmente a Herpes ainda não tem cura. Uma vez que você foi infectado, o vírus irá ficar com você para o resto da sua vida. Ele pode ficar dormente por longos períodos ou se reativar e causar crises. A frequência  varia muito de pessoa para pessoa e também é muito afetado por stress, e pelo estado do sistema imunológico de cada um.

Existem muitos sites mentirosos querendo se aproveitar da vulnerabilidade das pessoas para vender seus produtos alegando em suas campanhas de marketing inescrupulosas que possuem a cura. Muitos se iludem com isto e, levados pelo desespero, caem no golpe. Alguns podem até achar que estão curados (pois é normal o vírus entrar em remissão por longo período ás vezes) e podem continuar transmitindo o vírus pois não tomam mais cuidados.

Apesar disso, existem boas formas de tratamento e hábitos que podem  ajudar muito a diminuir a quantidade de crises até o ponto em que a herpes genital não seja um fardo tão pesado na nossa vida.

No mais, existem muitos laboratórios sérios que estão pesquisando vacinas que poderão ser a solução no futuro.

Mito 3 – Herpes genital significa o fim da sua vida sexual e relacionamentos.

Isso é uma das primeiras coisas que agente pensa quando descobre que foi infectado. O medo de rejeição ou de transmitir ao parceiro e a queda da autoestima são responsáveis por muito dano psicológico, o qual  pode persistir por muito tempo se não existir um aprendizado que leve a uma mudança no pensamento. Não podemos perder a perspectiva de que cerca de uma em cada seis pessoas  na idade adulta estão infectadas com o vírus da herpes genital.  É perfeitamente possível se adaptar, e com alguns ajustes e cuidados, levar uma vida sexual normal em um relacionamento.

Mito 4 – Herpes genital só pode ser transmitida quando você tem lesões.

É certo que quando existem sintomas, bolhas ou  lesões a herpes é facilmente transmitida via contato pele-pele ou pele-mucosa. Porém a transmissão também pode ocorrer sem a presença de nenhum sintoma visível. Isso se chama transmissão assintomática. Ela é bem mais rara de ocorrer mas infelizmente pode acontecer.

O fato é que muitas pessoas transmitem herpes sem mesmo saber que possuem o vírus pois a herpes é assintomática em aproximadamente 80% dos que são infectados.

Mito 5 – Se você está em uma relação monogâmica e pega herpes genital, então seu parceiro deve estar fazendo sexo com outra pessoa.

Isso é uma dúvida que já escutei várias vezes. Mas não necessariamente pode ser verdade. Seu parceiro pode ter sido infectado pelo vírus da herpes há muito tempo atrás e nunca ter percebido ou por normalmente ser assintomático ou porque se teve alguma crise, foi muito pequena, e confundiu com outra coisa.

Mito 6 – Quem tem herpes genital não pode doar sangue.

O vírus da herpes não está presente no sangue, ou seja, o sangue de uma pessoa infectada com herpes não irá transmitir herpes para outra pessoa através de uma transfusão de sangue. (O vírus se locomove através das ramificações nervosas e não pelo sangue)

Porém, recomenda-se não doar sangue se estiver com uma crise recorrente de herpes ativa, ou principalmente durante uma primeira-crise. Também é necessário parar de tomar qualquer antiviral por pelo menos 24 horas antes de doar sangue.

Mito 7 – Somente pessoas promíscuas pegam Herpes Genital.

Isso é completamente incorreto. Herpes é um vírus extremamente comum e e é transmitido facilmente e tem alta prevalência, ou seja muitas pessoas têm. Isso ainda aliado ao fato de que alguns transmitem de forma assintomática ou nem sabem que têm o vírus leva a muitas pessoas sendo infectadas mesmo com poucos parceiros ou pouca atividade sexual.

Mito 8 – Preservativos evitam completamente herpes genital.

Na verdade os preservativos reduzem bastante o risco de transmissão de herpes genital (cerca de até 50% de redução de risco). Com certeza o uso é recomendado mas não previnem completamente a transmissão porque a camisinha simplesmente não cobre toda a área por onde o vírus HSV pode ser transmitido. Ela também pode se romper ou sair do lugar na hora do sexo  se não for bem colocada.

Entretanto os preservativos são muito mais eficientes para proteger contra outras doenças sexualmente transmissíveis como a Aids (vírus HIV) ou hepatite por exemplo.

Mito 9 – Eu não posso ter um bebê se tenho herpes genital.

Eu vejo que essa é uma preocupação bem frequente  para as mulheres que sabem que tem herpes genital, mas felizmente isso não é verdade. Muitas mulheres que tem herpes genital têm bebês perfeitamente saudáveis.

O importante é sempre avisar seu  médico desta condição pois assim ele tomará os cuidados necessários ao longo da gestação e provavelmente na hora do parto se você estiver com algum sintoma ou  crise de herpes ele irá fazer uma cesariana para prevenir a transmissão ao bebê. Se não existirem sintomas de herpes genital o parto normal pode ser feito.

Mito 10 – Você pode pegar herpes usando o vaso sanitário que foi usado por uma pessoa com herpes genital.

Esse mito é muito antigo e é falso.  Acontece que o vírus da herpes seca e morre rapidamente quando exposto ao ar. Em uma superfície fria e seca de um vaso sanitário seria extremamente difícil ele ficar vivo. Nunca existiram casos comprovados de alguém ter pego herpes ao sentar em um vaso sanitário.

Mito 11 – Herpes pode causar câncer.

O vírus da herpes (HSV-1 ou HSV-2)  não está associado a nenhum tipo de câncer. O câncer está ligado a outro vírus – o vírus HPV. Este sim pode causar verrugas ou lesões percursoras de câncer, como o câncer de colo de útero, garganta ou ânus e também é transmitido sexualmente. Felizmente existe vacina para o HPV.

Mito 12 – Herpes genital pode causar infertilidade.

Existem algumas DST , como a clamídia, que podem causar problemas de fertilidade se não fizer um tratamento correto. Mas não é o caso da herpes genital. Não existe redução de fertilidade nem redução de chance de engravidar se você tem herpes genital.

Você conhece algum outro mito que eu tenha esquecido? Escreve aí nos comentários.

Abraços,

Edu

Notável Transição de Padrões de Infecção do Vírus da Herpes Simples Tipo 1 nos Estados Unidos

Pesquisadores da Universidade do Qatar (QU) e Weill Cornell Medicina-Qatar descreveram uma evolução rápida e intrigante do herpes simplex vírus tipo-1 (HSV-1) nos Estados Unidos, com menos infecção na infância, mas mais na idade adulta, e menos infecção oral, porém mais infecção genital.

O HSV-1 é um vírus altamente contagioso e uma das infecções mais difundidas globalmente. Normalmente é transmitido por via oral durante a infância, levando a bolhas e lesões ao redor da boca, conhecido como herpes oral. Dados recentes de vários países, no entanto, mostram que HSV-1 pode também ser transmitido sexualmente, através de várias práticas sexuais, levando à doença de herpes genital pelo vírus HSV-1.

Dr. Houssein Ayoub, Hiam Chemaitelly e Dr. Laith Abu-Raddad.

O estudo, publicado na prestigiosa revista BMC Medicine, desenvolveu um sofisticado modelo matemático para caracterizar quantitativamente o nível e a tendência da epidemia do HSV-1 nos Estados Unidos. O estudo indicou que a infecção HSV-1 está passando por uma transição mais sutil do que se pensava, com esta infecção se propagando através de quatro diferentes modos de transmissão na população, e que afetam faixas etárias diferentes de formas diferentes. O contato oral-genital, em particular, foi descoberto estar causando um papel importante na transmissão de infecção para os jovens adultos, com 25% das infecções entre eles sendo genitais e levando a herpes genital.

O estudo estimou que existem 3 milhões de novas infecções de HSV-1  todos os anos, um nível que irá persistir por várias décadas. Deste total, perto de 500.000 serão de infecções genitais, principalmente através do contato oral-genital. O HSV-1 irá persistir como sendo uma das principais causas de primeiro-episódio de herpes genital entre os jovens nos Estados Unidos por décadas por vir, superando a contribuição do HSV-2, a qual é uma infecção transmitida principalmente através de relações sexuais. O HSV-2 tem sido historicamente a principal causa de herpes genital até os tempos atuais.

Apesar deste aumento de herpes genital, o estudo indicou declínios acentuados no herpes oral em crianças. O estudo também previu que a fração da população que irá carregar a infecção irá diminuir com o tempo, e este declínio será mais pronunciado por volta de 2050.

“Foi surpreendente para nós ver essa grande mudança nos padrões de transmissão do HSV-1, e como esta infecção está afetando faixas etárias de formas muito diferentes. Enquanto o herpes oral está declinando rapidamente para as crianças, o herpes genital está aumentando de forma constante para jovens adultos,”disse Dr. Houssein Ayoub, principal autor do estudo e professor assistente do departamento de matemática, estatística e física na QU.

Hiam Chemaitelly, o segundo autor do estudo e epidemiologista sênior no WCM-Q acrescentou: “o aumento da herpes genital devido ao contato oral-genital é de especial preocupação, já que isso está afetando jovens adultos, principalmente mulheres, que têm de suportar significativas consequências psicossociais e sexuais assim que elas descobrem estas bolhas genitais, muitas vezes logo após sua estreia sexual.”

Dr. Laith Abu-Raddad, investigador principal do estudo e professor de políticas de saúde e pesquisa na WCM-Q, concluiu: “estes resultados demonstram a importância de acelerar o desenvolvimento de vacinas para HSV-1 para controlar a transmissão e para evitar o fardo médico e psicosocial que está emergindo dessa infecção.”

O estudo, “Caracterizando a Transição Epidemiologia do Vírus Herpes Simplex Tipo 1 nos Estados Unidos: Previsões Baseadas em Modelos”, foi realizado através de uma colaboração entre QU e WCM-Q com financiamento do fundo de investigação nacional do Qatar, um membro da Fundação Qatar, através do Programa Nacional de Pesquisa de Prioridades (NPRP 9-040-3-008).

Para ler o estudo completo visite: https://bmcmedicine.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12916-019-1285-x

Principais conclusões científicas do estudo:

  • A Infecção de HSV-1 nos Estados Unidos está em transição de ser uma infecção oral normalmente adquirida durante a infância, para cada vez mais uma infecção sexualmente transmissível e a principal causa do primeiro-episódio de herpes genital entre jovens adultos.
  • O número de novas infecções por HSV-1 irá persistir em 3 milhões de novas infecções a cada ano. Deste total, perto de meio milhão serão de infecções genitais, principalmente através do contato oral-genital e levando a herpes genital.
  • Jovens adultos e especialmente as mulheres, serão mais afetadas com 25% de novos casos entre elas sendo de infecções genitais.

Fonte: https://qatar-weill.cornell.edu/

Abraço a todos,

Eduardo Rosadarco

Viajens Espaciais estão reativando Herpes nos Astronautas

Um estudo da Nasa alertou que as viagens espaciais estão reativando o vírus da Herpes nos Astronautas. Para estudar o impacto que as viagens espaciais causam nos vírus, os pesquisadores da Nasa analisaram amostras de sangue, urina e saliva dos astronautas antes, durante e depois de voos com o ônibus espacial e em missões na Estação Espacial Internacional (ISS).

E os resultados publicados no periódico “Fronteiras da Microbiologia”  mostraram um aumento de reativação e de derramamento viral (viral shedding) enquanto se está no espaço.

O autor e chefe do estudo Sr. Satish K Mehta do Centro Espacial Johnson disse o seguinte: “ Até agora, 47 dos 89 (53%) astronautas que fizeram curtas viagens com o ônibus espacial, e 14 dos 23 (61%) em missões mais longas na ISS  estavam com presença de vírus (derramamento viral) nas suas amostras de saliva ou urina. Essa frequência, assim como a quantidade de derramamento viral são acentuadamente maiores do que nas amostras de antes e depois do voo espacial ou do controle saudável pareado.”

Segundo os pesquisadores a causa mais provável de reativação dos vírus dormentes foi o stress – assim como ocorre aqui na Terra.

Os astronautas tem que enfrentar situações estressantes durante o lançamento e reentrada na atmosfera e também são expostos a radiação cósmica e gravidade zero, além de que ficam confinados em espaços pequenos e separados da família e amigos por longos períodos de tempo.

O estudo encontrou quatro dos oito vírus humanos, os quais foram: da herpes oral, herpes genital, herpes-zoster e varicela.

O Dr. Metha disse que: “apenas seis astronautas desenvolveram algum sintoma devido a reação viral. E todas foram pequenas.”

Além de que aumenta a chance de infectar outros, a reativação viral do vírus da herpes cria novas preocupações a respeito de missões de longo termo para Marte.

“ O tamanho, frequência e duração do derramamento viral, todos aumentam com a extensão do voo espacial” disse o Dr. Metha. “A contra medida ideal seria a vacinação – porém isso só é disponível apenas contra a varicela por enquanto”.

Pesquisadores estão atualmente procurando métodos de combater a reativação do vírus, o que também iria beneficiar as pessoas na Terra.

Fonte: Independant.co.uk

Agora Vendendo Lisina…

Best-seller nos EUA

Depois de tantos anos aqui no Blog e com o meu livro, ajudando a todos que também tem herpes genital, agora eu também estou incluindo a Lisina.
Para quem ainda não sabe, a Lisina é um aminoácido essencial para muitas funções do corpo que suportam a pele, ossos, colágeno e elastina. E para nós que temos herpes, ela é ainda mais importante, pois tem um relacionamento antagônico com a Arginina, ou seja, ela é útil para a redução dos níveis de Arginina. Como o vírus da herpes “adora” a Arginina, a suplementação com Lisina mostrou que é eficaz para a redução de frequência de crises para muitas pessoas. Por isso, tomar Lisina diariamente é uma das sugestões que coloco no meu livro para quem tem crises seguidas de herpes labial ou genital.
A Lisina não é produzida pelo nosso organismo e ela deve ser obtida através da dieta, sendo que os alimentos que contém proteínas são as melhores fontes. Mas somente pela alimentação (em relação a herpes) não basta para ajudar a reduzir os surtos do vírus. Recomenda-se de 500mg a 1500mg diariamente de Lisina para obter o melhor efeito nesse sentido.
Os produtos que agora estou vendendo, eu mesmo já usei, são importados e fabricados nos EUA e garanto pessoalmente quanto à qualidade deles. É Lisina de verdade. O problema é que não tenho a mesma confiança nesse produto manipulado em farmácias aqui no Brasil.
Por enquanto estou vendendo através do Mercado Livre e os links estão abaixo:

Lisina 1000mg com 180 tablets da Amazing Formulas (Em Estoque)

SuperLysine + Echinacea 180 tablets da Quantum Health (Em Estoque)

Lisina 1000mg 60cápsulas da Puritan’s Pride (Em Estoque)

Lisina 500mg 100 cápsulas da Puritan’s Pride (Em Estoque)

Quantum 1

Então recomendo muito para quem estiver tentando diminuir a fase de crises frequentes e quer um produto de qualidade. E também se você fizer a conta, verá que a o valor é muito bom pela quantidade de meses que um frasco atende, além de que estará dando suporte para o blog aqui, portanto agradeço desde já os que comprarem comigo.

Um abraço a todos,
Eduardo Rosadarco

Anvisa suspende lote de medicamento contra Herpes por ter problemas.

A Anvisa suspendeu o lote B16L1470 (val 11/2018) do medicamento Heclivir (aciclovir) de 200mg, comprimido.
O produto é fabricado pela Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica.
O lote do medicamento foi analisado pelo Laboratório Central de Saúde Pública do DF, que identificou problemas nos ensaios e nos rótulos.
A empresa deverá fazer o recolhimento do produto.

Att,
Edu

Relatório Atualizado sobre as Principais Vacinas Contra a Herpes Genital

Olá pessoal,
Eu peço desculpas pela demora na atualização das vacinas. Eu estava aguardando notícias melhores mas a situação não é muito promissora no momento. Segue abaixo um breve relatório…

Gnocea (Gen-003)
A companhia anunciou que está mudando o seu foco para os estudos de vacinas contra o câncer e que vai explorar outras alternaivas para a vacina gen-003. A empresa reduziu o trabalho em 40% e parou de gastar com a vacina contra a herpes. Aparentemente eles não irão continuar o desenvolvimento dela, a não ser que encontrem um parceiro.

Vical (VCL-HB01)
Mostrou-se ineficaz em reduzir as crises em pessoas com HSV-2 na fase 2 de testes controlados e foi finalizada.

Rational Vaccines (Theravax)
Depois da morte do dr. Halford o site da Rational Vaccines está fora do ar e com uma mensagem de “em construção” já faz tempo.
De acordo com o “Kaiser Health News”, em março/2018, três pessoas que participaram nos experimentos da vacina entraram com processos contra a Rational Vaccines por causa dos efeitos colaterais que disseram que sofreram. E para piorar, o departamento Americano FDA (Food and Drug Administration) lançou uma investigação criminal contra o professor Halford por ele ter injetado pessoas com sua vacina não autorizada em St. Kitts e Nevis em 2016 e em quartos de hotel em Illinois em 2013 sem a supervisão da FDA. Eles agora estão atrás de qualquer pessoa que tenha ajudado o falecido Dr. ou que foram cúmplices.
Tudo indica que não podemos contar com essa vacina também.

Admedus
Em abril deste ano a Admedus anunciou que estava negociando uma nova oportunidade de financiamento e que a operação seria concretizada dentro dos próximos seis meses. E alguns dias atrás, no dia 26 de junho, eles anunciaram que o financiamento com o investidor de Hong Kong Star Bright Holding Ltd está garantido por longo termo. Uma nova empresa será estabelecida com a Admedus retendo 29% das ações da nova entidade. O Sr. Wayne Paterson será o novo presidente por no mínimo 5 anos e o Professor Ian Frazer será o Pesquisador Principal e Chefe Científico da Compania. O investimento inicial nos primeiros dois anos irá focar nas vacinas contra o HSV-2 e câncer relacionado ao HPV.
Fora isso, até agora a Admedus estava em total silêncio quanto ao avanço da sua vacina contra a herpes.
São boas notícias esta nova parceria e investimento e quem sabe agora a vacina evolua. Espero que em breve tenhamos mais novidades.

Universidade da Pensilvânia (Trivalente)
A última notícia que achei foi em uma entrevista com o Dr. Harvey Friedman feita em 11 de outubro de 2017. Ele falou que a vacina continua promissora pois teve boa eficiência em camundongos e porquinhos-da-índia porém isso não significa que em humanos pode ser igual já que outras vacinas se mostraram eficientes em animais e não em pessoas. Ele também estimou que os primeiros testes com voluntários poderá começar em abril de 2019. Outra coisa que ele falou é que esta vacina destina-se mais à prevenção do que ao tratamento. Eles buscam alcançar o que chamam de “imunidade esterilizante”, o que significa que a vacina poderia prevenir lesões e qualquer indicação de infecção, incluindo o derramamento viral silencioso ou subclínico e a latência em indivíduos vacinados. Foi perguntado por que não usá-la como tratamento, e ele respondeu que não acredita que que a vacina funcionaria bem como tratamento mas está estudando a possibilidade em conjunto com o colega Dr. Akiko Iwasaki.
Se alguém souber de notícias mais atuais sobre a trivalente deixa um comentário por favor.

Essas notícias decepcionantes das vacinas que não vão para frente e que acompanho há anos, me fazem pensar como continua sendo importante agente não ficar esperando uma cura milagrosa e sim cuidar da nossa saúde, tanto física como mental, aproveitar os nossos dias, se adaptar e viver normalmente sem deixar esse vírus nos derrubar a autoconfiança e nossos sonhos.

Um forte abraço a todos!
Eduardo Rosadarco

Pomada para herpes sendo desenvolvida em SP

Uma nova pomada que parece sarar  a herpes labial com boa eficiência está sendo desenvolvida por um pesquisador da USP em Ribeirão Preto.
Segue abaixo o link da matéria, a qual está bem escrita:

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2018/01/1948162-gel-criado-na-usp-promete-acabar-com-feridas-de-herpes-na-boca-em-um-dia.shtml

Abraços,
Eduardo Rosadarco

Atualização do andamento das vacinas para Herpes Genital HSV-2

Olá pessoal,
Segue abaixo um resumo sobre como estão indo as vacinas…

Admedus – Resultados da Fase 2a da vacina HSV-2 (maio 2017)

-Não existiram problemas de segurança com a vacina.
-Os resultados indicaram que a vacina estimulou fortemente a atividade celular.
-Ocorreu uma redução maior do “derramamento viral” nas pessoas do estudo em comparação com os que receberam o placebo.
-Não existiu diferença entre o número de crises que apareceram no grupo da vacina comparado com o grupo do placebo, porém uma informação interessante é que demorou mais para surgir uma recorrência no grupo da vacina se comparado com o do placebo (quase 6 meses a mais para surgir uma crise ou sintomas).
A vacina encontra-se agora na fase 2b onde basicamente testarão doses maiores. Nenhuma data de conclusão foi comentada.

http://www.admedus.com/2017/05/08/admedus-hsv-2-phase-iia-results-may-2017/

Genocea – Vacina GEN-003

A vacina encontra-se na Fase 2b (também!) onde estão selecionando a dose final com a nova formulação da Fase 3.
Os resultados dos primeiros 6 meses demonstram estatisticamente melhorias significativas contra o placebo em múltiplos objetivos; redução significativa no “derramamento viral” imediatamente após a dose.
Eles estão na pendência de uma reunião sobre a Fase 2 com as autoridades reguladoras e estimam o lançamento da Fase 3 no quarto trimestre de 2017.

https://www.genocea.com/pipeline/gen003-for-genital-herpes/

Rational Vaccines – Vacina Theravax HSV-2

O último post do Dr. Halford é de 15 de fevereiro de 2017. Não encontrei novidades depois disso.
Ele diz que os resultados da Fase 1 estão sendo estudados e que irá publicar um artigo no PLOS ONE (um periódico médico de acesso aberto) mais no final de 2017 quando ele tiver terminado de analisar todo o conjunto de dados.
Nesse meio-termo a equipe da Rational Vaccines estará promovendo as descobertas preliminares e procurando um novo local para os próximos testes clínicos.
O Dr. Halford disse que se encontrarem um país que aprove seu trabalho com uma população grande e estruturado para testes do tipo FDA, a vacina seria viável em 3 a 5 anos, ao contrário do que normalmente levaria nos Estados Unidos (cerca de 20 anos).
A matéria completa está no link abaixo e é bem interessante, porém está em inglês.
Infelizmente o Dr. Halford foi diagnosticado com câncer e pelo que deu a entender não tem muito tempo, por isso ele decidiu que o restante de seu tempo será melhor gasto colocando sua vacina Theravax para o mundo o quanto antes.

http://www.siumed.edu/mmi/highlights/game-changer-herpes-vaccine-shows-promise.html

Abraços,
Eduardo Rosadarco

Pritelivir se mostra mais efetivo contra a Herpes Genital do que o Valaciclovir

jama-logo
Olá,
Na edição de Dezembro de 2016 do Jornal da Associação Médica Americana (Jama) saiu uma publicação da Dra. Anna Wald e colegas sobre um estudo de comparação entre o uso de Pritelivir e do antiviral Valaciclovir (similar ao aciclovir) em pacientes com herpes genital recorrente.
A ideia da pesquisa era verificar se o Pritelivir seria mais eficiente para a supressão do “derramamento viral” em pacientes com herpes genital recorrente (HSV-2)
O resultado foi o seguinte: o estudo feito em 91 adultos com herpes genital recorrente mostrou que a percentagem de esfregaços genitais (amostras retiradas esfregando a pele dos genitais) detectados com o vírus HSV ao longo de 28 dias foi significativamente reduzida durante o uso de Pritelivir do que com o Valaciclovir (2,4% vs 5,3%).
Isso significa que o Pritelivir pode ser mais eficiente para a supressão da infecção genital do que o Valaciclovir, mas segundo o relatório, ainda é necessária mais pesquisas sobre a eficácia em longo termo e segurança.

http://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/2593569

Abraços,
Eduardo Rosadarco